Negocie aqui

Whatsapp Whatsapp E-mail E-mail Ligue Ligue 0800 721 6001 Negocie online Negocie online 2ª via de boletos 2ª via de boletos

O que é INPC? Entenda como esse índice é calculado


O que é INPC? Entenda como esse índice é calculado

A inflação é um problema que frequentemente ronda o bolso dos brasileiros, sejam eles consumidores ou empreendedores. Desse modo, é importante acompanhar os diferentes índices que medem a variação de preços do mercado.

Pensando nisso, neste conteúdo, vamos mostrar o que é o INPC, e de que forma é feito seu cálculo e divulgação, indicando como isso afeta a vida econômica de todos nós. Interessado? Então prossiga com a leitura.

O que é o INPC?

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) é um índice de inflação calculado e divulgado mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Sua criação data de março de 1979 e sua implementação tinha como objetivo mensurar o aumento dos preços para os produtos mais consumidos entre famílias que ganham entre 1 e 5 salários mínimos.

A partir do número divulgado mês a mês, uma série de serviços, salários e benefícios podem ser reajustados conforme o ritmo de evolução dos preços, evitando que a perda de poder aquisitivo da moeda perca valor de forma contínua, que é o que define o processo inflacionário.

Como ele é calculado?

O cálculo do INPC segue alguns parâmetros, de modo que o número obtido reflita com maior precisão possível a evolução dos preços dentro da faixa de renda que o índice foca.

O primeiro aspecto importante no cálculo do INPC é a data de coleta dos dados. Ela é feita sempre entre o dia 1 e o dia 30 ou 31 do mês de referência, salvo algumas exceções.

Em 2021, por exemplo, a data de coleta sempre encerrou por volta do dia 28 de cada mês, de acordo com as informações disponíveis no site do IBGE. Desse modo, o índice divulgado, por exemplo, nos primeiros dias de setembro, vai refletir o que foi aferido entre 1 e 31 de agosto.

Dentro desse período de coleta de dados, os técnicos do IBGE saem às ruas e consultam os preços do varejo em várias localidades do Brasil. Esses pontos de pesquisas levam em conta a área de abrangência do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC), que são as regiões metropolitanas e algumas capitais pais afora, compondo, ao todo, 15 locais de pesquisa.

Mas atrás de quais preços de produtos e serviços os pesquisadores do IBGE vão atrás no período de coleta dos dados que vão compor o INPC?

Lembra quando mencionamos que esse índice visa mensurar o crescimento dos preços entre famílias que recebem entre 1 e 5 salários mínimos? Dessa forma, a cesta de produtos e serviços cujo levantamento foca considera o que é mais consumido por pessoas nessa faixa de renda.

Para isso, de tempos em tempos, o IBGE faz a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), justamente para entender o que as famílias brasileiras estão colocando no carrinho de compras. A partir disso, é possível estimar, na média, o que a população brasileira consome em diversas categorias, como alimentos e bebidas, lazer,

A última grande reformulação da cesta de produtos e serviços calculados pelo INPC foi feita em janeiro de 2020. Naquela oportunidade, saíram do levantamento itens como gastos com telefone público e entraram na lista o preço de combos de telefonia, internet e tv a cabo, bem como de serviços de streaming.

Vale reforçar que, a partir da coleta das informações, é feita uma ponderação nos cálculos, de modo com que cada item analisado tenha um peso diferente na composição da inflação. A razão para isso é fácil de entender: famílias que ganham menos, o foco do INPC, gastam a maior parte do que recebem com itens básicos, como alimentos e produtos de higiene e limpeza.

Assim, qualquer aumento nesses produtos é sentido de forma intensa no bolso dessas famílias, fazendo com que isso se reflita na inflação.

Qual a diferença entre o INPC e o IPCA?

O IPCA (Índices de Preços do Consumidor Amplo) é outro índice de inflação calculado e divulgado pelo IBGE. Como o próprio nome indica, seu foco é ampliado. Isso faz com seu cálculo considere o padrão de consumo de famílias que ganhem entre 1 e 40 salários mínimos. Ou seja, ele vai bem além do escopo do INPC.

Com isso, é normal que, em muitas situações, o INPC e o IPCA apresentem números diferentes, já que o primeiro foca na inflação daqueles que ganham menos e que sofrem de forma direta e rápida com o aumento em grupos específicos, como os alimentos.

Por outro lado, embora o INPC reflita o aumento de preços numa parcela menos favorecida da população, é o IPCA o escolhido como índice oficial de inflação no país.

Em que situações o INPC é utilizado?

Apesar de não ser o índice oficial de inflação no país, o INPC é empregado em diversas situações. Algumas delas envolvem a renegociação de ajustes e correções salariais de diversas categorias profissionais, principalmente em acordos coletivos.

Por parte do governo, o INPC normalmente costuma ser a referência para a reposição de perdas do salário mínimo e de benefícios e aposentadorias pagas pelo INSS, incluindo aquelas que superam 1 salário mínimo, piso pago aos beneficiários. Alguns benefícios sociais também são corrigidos a partir da flutuação do INPC.

Por que é importante acompanhar esse índice?

Mesmo que você não faça parte do grupo de famílias que são o foco do cálculo do INPC, é importante acompanhar de perto sua evolução. Primeiro, por muitas aplicações financeiras terem sua remuneração baseada nesse índice, principalmente quando falamos das opções de renda fixa disponíveis no mercado.

Além disso, o avanço do INPC pode representar uma queda no poder de comprar em parte significativa, o que acaba contribuindo com a elevação da inadimplência, uma vez que muitos compromissos podem ser deixados de lado devido ao comprometimento da renda.

Tal cenário pode representar uma dor de cabeça para muitas empresas, que podem ter dificuldade para lidar com o crescimento dos consumidores que não estão em dia com suas obrigações.

Desse modo, o INPC é mais um importante indicador que todos que administram um negócio devem ficar de olho, para a partir disso refinar as diferentes estratégias de condução das finanças do empreendimento, incluindo nisso o gerenciamento da taxa de inadimplência.

Aproveite e saiba mais sobre os diferentes indicadores de inadimplência que você precisa ficar de olho.