Saúde financeira da empresa: 7 indicadores avaliados por investidores

A saúde financeira do empreendimento é a referência número um na análise de investidores, tendo em vista um possível aporte de capital ou mesmo um empréstimo do tipo P2P. No mercado financeiro, os KPIs pelos quais ela é avaliada fazem parte da chamada análise fundamentalista, na qual o valor de uma empresa se mede por sua performance.

Outro método de avaliação é a análise técnica, na qual a performance financeira é medida pela relação entre custo e rentabilidade das ações. Por isso, se seu negócio está em busca de parceiros para investir e fazê-la crescer, fique atento aos próximos tópicos. Neles, vamos mostrar os 7 principais indicadores para avaliar suas ações. Acompanhe!

Qual é a importância da saúde financeira da empresa? 

A análise da saúde financeira é fundamental para empresas no momento de uma Oferta Pública Inicial (IPO), ou seja, na hora de abrir seu capital no mercado.

Por isso, quanto mais potencial de crescimento e de evolução um empreendimento mostrar, mais compradores de seus papéis atrairá. Esse potencial, por sua vez, é avaliado por meio dos KPIs, ou Indicadores-Chave de Performance, na tradução da sigla para o português.

Ao avaliá-los constantemente, é possível saber se o negócio está indo bem, se vale a pena investir em suas ações e até usá-los como base para ações visando reduzir a inadimplência.

Quais são os KPIs mais relevantes para os investidores?

A lista que você verá a seguir não pretende esgotar o assunto. Afinal, a performance financeira pode ser avaliada por incontáveis maneiras, até mesmo por relatórios internacionais de empresas de auditoria. 

Na verdade, os indicadores que apresentaremos são elementares no contexto do mercado e para que a saúde financeira seja bem-avaliada. Dito isso, veja quais são.

1. ROE

O primeiro dos indicadores a ser ponderado é o chamado Return on Equity (ROE), ou Retorno sobre o Patrimônio Líquido. Sendo assim, antes de medi-lo, é indispensável saber em que consiste o PL e como calculá-lo.

De forma resumida, é o capital próprio e disponível que uma empresa tem em suas reservas financeiras. Logo, ficam de fora dessa conta ativos como imóveis, veículos e tudo que não possa ser convertido em dinheiro de forma rápida.

Trata-se de um indicador medido em valores percentuais, portanto quanto mais alto, mais saudável financeiramente o empreendimento estará. O ROE é calculado em cima do preço da ação ao aplicar a fórmul, com LL representando o Lucro Líquido e PL, o Patrimônio Líquido.

ROE = (LL/ PL) x 100

Como exemplo, suponha que o lucro obtido com uma ação foi de R$ 5,00 e o valor dessa ação é R$ 90,00. Nesse caso:

ROE = 5 / 90 X 100 = 5,55%

Faça esse cálculo para a rentabilidade em um ano e compare-o com a taxa de referência para o rendimento de ativos, como a taxa DI ou Selic. Se o ROE se mostrar abaixo, seu negócio não será tão atrativo aos olhos dos investidores, os quais vão preferir ativos mais rentáveis ou de menor risco.

2. Preço / Lucro

Já o índice Preço / Lucro serve para avaliar o valor de uma ação em um período de tempo e se ela apresenta rentabilidade de fato. Investidores fazem esse cálculo de forma comparativa, tomando-o como referência para diferentes investimentos. 

Seu cálculo é bastante simples e deve ser feito tomando um período como base, o lucro de uma ação nesse intervalo de tempo e o valor de compra. Apurados esses valores, basta aplicar a fórmula a seguir, sendo que PA é o Preço por Ação e LA é o Lucro por Ação:

PL = PA / LA

3. ROI

Outro método para avaliar a saúde financeira de uma empresa comumente utilizado por investidores é o cálculo do Retorno Sobre Investimento, ou ROI, na sigla em inglês. Seu cálculo é feito pela fórmula:

ROI = (Lucro – Investimento Inicial) / Investimento Inicial

4. Nível de endividamento

Também chamado pelo termo Debt to Equity, permite avaliar quanto do capital do negócio está comprometido com pagamento de dívidas. Quanto mais perto de 1 for o resultado, mais equilibrada é a relação entre capital próprio e contas a pagar. 

Resultados acima de 2 apontam para endividamento elevado, enquanto outputs abaixo de 0,3 sinalizam que a organização é demasiadamente conservadora. Sua fórmula é:

Nível de endividamento = Dívida Financeira Líquida / Patrimônio Líquido

5. Margem EBITDA

No Brasil, a margem EBITDA é mais conhecida pelo acrônimo LAJIDA, que significa Lucros Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização. Em uma análise fundamentalista, ele serve para avaliar a capacidade que um empreendimento tem de gerar lucros, excluindo possíveis resultados de investimentos que ele tenha.

No LAJIDA, só entra o que a empresa ganha com suas atividades operacionais. Seu cálculo é feito da seguinte forma:

EBITDA = Receita Líquida Operacional – (Despesas com vendas + Despesas com Operações) + Depreciação + Amortização

6. Dividend Yield

Por sua vez, o Dividend Yield serve para medir, em percentuais, quanto as ações de uma empresa pagaram a seus acionistas em um período de tempo. Seu cálculo também é bastante simples, consistindo em dividir o valor que uma ação rendeu pelo preço atual.

Imagine, nesse caso, que um papel rendeu em um ano R$ 1,25 e que, hoje, o preço dessa ação é de R$ 28,00. Sendo assim:

Dividend Yield = 1,25 / 28 = 0,0446 = 4,46%

7. Margem bruta e líquida

Voltando à análise fundamentalista, os indicadores de Margem Bruta e Líquida servem para conhecer de um outro ângulo a capacidade da empresa de gerar receitas. O primeiro é bem simples e consiste em calcular quanto sobra do faturamento depois de excluir os custos de produção. Logo, no cálculo da margem bruta, não entram despesas com vendas.

Uma vez obtido esse resultado, basta dividir o lucro pela receita e multiplicar por 100, obtendo um valor percentual. Veja o exemplo de um negócio que vendeu por R$ 100,00 uma mercadoria que custou R$ 65,00 para ser produzida. Nesse caso, seu lucro foi de R$ 35,00. Logo:

Margem Bruta = 35 / 100 = 0,35 x 100 = 35%

Já o cálculo da Margem Líquida é feito por:

Margem Líquida = (Lucro líquido / Receita líquida) x 100

O Lucro Líquido é o que sobra depois de todas as despesas pagas, incluindo impostos, e a Receita Líquida é o que fica depois de subtrair possíveis descontos.

Seja qual for o método que um investidor escolher para diagnosticar a saúde financeira da empresa, quanto mais apoio ela tiver para melhorar seus resultados, mais eficiente será.

Sendo assim, conte com a Global Soluções Financeiras e todo seu know-how para agregar valor e atrair investimentos com mais rapidez. Faça contato com a gente agora mesmo. Queremos apoiar seu empreendimento em sua jornada de crescimento!



Deixe uma resposta