Segurança, riscos e proteção de dados

No cenário tecnológico atual, se faz necessário uma atenção especial a novas oportunidades, conforme já discutimos neste blog no artigo “A informação para tomada de decisão” onde tratamos a disponibilidade da informação e as ferramentas de inteligência para tratamento e utilização correta dos dados.

Como toda oportunidade também temos as ameaças envolvidas neste ambiente de negócios, onde há muita informação há também necessidade de segurança e prioridade na mitigação dos riscos envolvidos, especialmente quando se trata de informações pessoais e informação dos nossos clientes.

O mercado em que atuamos exige, cada vez mais, diferentes competências e evolução tecnológica constante, seja para atender normas específicas de cada segmento ou para apoiar nas auditorias específicas ou ainda para atender níveis de segurança visando garantir independência e tráfego das informações e mitigar os riscos envolvidos nas transações financeiras e/ou de comunicação com o cliente.

O desafio está em como sobreviver em plena “Era da informação”, garantindo “segurança da informação”, ou seja, a informação é base para nossa estratégia e tomada de decisão, porém, para que ela se torne realmente um ativo, precisamos garantir que não haja vulnerabilidade. Parece dicotômico? Não, para nós é complementar.

Passamos então ao entendimento dos aspectos considerados para realização de análise da vulnerabilidade;

  • A tecnologia, que considera todo parque tecnológico de software e hardwares, como também os postos de trabalho de cada colaborador, considerando proteção constante de informações de dados e-mail, troca de arquivos, como de voz (telefone), seja através de utilização de firewall e antivírus ou bloqueios lógicos em cada ponto de vulnerabilidade.
  • Os processos, através de uma análise mais detalhada de fluxos entre o emissor e o receptor da informação com vistas a manter maior trafegabilidade diminuindo a cada dia os riscos de compartilhar informação com as pessoas erradas.
  • As pessoas, como executores dos processos precisam conhecer quais os impactos de suas ações e quais obrigações estão legalmente submetidos dentro do processo organizacional.
  • Como último fator e não menos importante, o ambiente, que permite a proliferação de informações reservadas, caso não tenhamos um modelo de segurança eficaz.

Por outro lado, ainda se faz necessário considerar a PLC 53/2018 de 24/07/2018 que trata a proteção de dados pessoais e tem como objetivo regulamentar e “proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade e da pessoa natural” que está diretamente ligado a nossa atividade fim que é encontrar e contatar os clientes de nossos clientes.

Soluções para o desafio são encontradas com investimento sólido em tecnologia, conhecimento e profissionalização dos serviços visando apresentar o que existe de mais moderno para atender as necessidades do mercado.

A Global conta hoje com uma equipe multidisciplinar e empresas especializadas para nos apoiar nesta caminhada, com muitas oportunidades e com grandes desafios.

Robson Garcia – Gerente de Planejamento, Processos e TI.



Deixe uma resposta